Referências Bibliográficas

Nem todos os textos que escrevo incluo a citação das referências, pois muitas vezes minhas reflexões partem de experiências diversas, como leituras, cursos, aulas, conversas, lugares, filmes, obras de arte, entre outras.

Segue abaixo uma lista de livros que me recordo ter lido, que de certo modo influenciam e embasam meus textos, sobre temas como existencialismo, psicologia, filosofia, fenomenologia, antropologia, sociologia, pedagogia, história, comunicação e artes. Me interesso por diferentes áreas, pois acredito que todos colaboram para a compreensão do ser humano em seus distintos modos de ser.

Livros:

  • ABRÃO, Bernadette. História da filosofia. São Paulo: Nova Cultural, 1999.
  • ALBET, Montserrat. A música contemporânea. Biblioteca Salvat, 1979.
  • ALMEIDA, Jorge Miranda de; Alvaro L. M. Valls. Kierkegaard. Rio de janeiro: Zahar, 2007.
  • ALVES, Rubem. A Escola com que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir. Campinas: Papirus, 2001
  • ALVES, Rubem. Estórias de quem gosta de ensinar. Campinas: Papirus, 2003.
  • ANGERAMI, Valdemar. Psicoterapia existencial. São Paulo: Pioneira. 1993.
  • ARANHA, Maria Lúcia; MARTINS, Maria Helena. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 2009.
  • ARANHA, Maria Lúcia. História da Educação e da Pedagogia: Geral e do Brasil. São Paulo: Moderna, 2012.
  • ARDUINI, Juvenal. Homem libertação. São Paulo: Paulinas, 1975.
  • BAKEWELL, Sarah. No café existencialista: O retrato da época em que a filosofia, a sensualidade e a rebeldia andavam juntas. Tradução: Denise Bottman. 1ª ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2017.
  • BASBAUM, Leôncio. Alienação e humanismo. São Paulo: Símbolo, 1977.
  • BECKER, Daniel. O que é adolescência. São Paulo: Brasiliense, 1999.
  • BETIOLI, Antonio. Bioética: a ética da vida. 2ed. São Paulo: LTr, 2015.
  • BEY, Hakim. TAZ - Zona autônoma temporária. São Paulo: Conrad, 2001.
  • BIAGGIO, A.M.B.  Psicologia do desenvolvimento.  Petrópolis: Vozes, 1975.
  • BOCK, Ana M. Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, M. de Lourdes. Psicologias - uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva, 2002.
  • BOCK, Ana M. Bahia; GONÇALVES, M. Graça M.; FURTADO, Odair (orgs.). Psicologia Sócio-Histórica: uma perspectiva crítica em psicologia. São Paulo: Cortez, 2001.
  • BORDENAVE, Juan E. Diaz. Além dos Meios e Mensagens: introdução à comunicação como processo, tecnologia, sistema e ciência. Petrópolis: Vozes, 4ed, 1987.
  • BOTELHO, José F. A Odisséia da Filosofia: uma breve história do pensamento ocidental. São Paulo: Abril, 2016.
  • BOUQUET, Carlos M. La Ruta de la Creación. Buenos Aires: Nobuko, 2006.
  • BRAGHIROLLI, Elaine Maria et. al. Psicologia Geral. Petrópolis: Vozes, 2002.
  • BRANDÃO, Antônio Carlos. Movimentos Culturais da Juventude. São Paulo: Moderna, 1990.
  • BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é Educação. São Paulo: Brasiliense, 1981.
  • CAGE, John. Silence: lectures and writings. Hanover: Wesleyan, 1973.
  • CAMPOS, Augusto; CAMPOS, Haroldo; PIGNATARI, Décio. Teoria da Poesia Concreta. Duas Cidades, 1975.
  • CANCELLO, Luiz. O fio das palavras: um estudo de psicoterapia existencial. 2ed. São Paulo: Summus, 1991.
  • CARPIGIANI, Berenice. Psicologia: das raízes aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Pioneira, 2000.
  • CASTRO, Dagmar S. P. Corpo e Existência. Rio de Janeiro: Umesp, 2003.
  • CASTRO, Dagmar S. P. Fenomenologia e Análise do Existir. São Bernardo do Campo: UMESP, 2000.
  • CASTRO, Edgardo. Introdução a Foucault. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2015.
  • CERBONE, David. Fenomenologia. Tradução: Caesar Souza. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 2014.
  • CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica. 6 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2010.
  • CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2002.
  • CHAUÍ, Marilena. Cultura e Democracia. São Paulo: Cortez, 1989.
  • CHAUÍ, Marilena. O que é Ideologia. São Paulo: Brasiliense, 2001.
  • CODO, Wanderley. O que é Alienação. São Paulo: Brasiliense, 1989.
  • COLETTE, Jacques. Existencialismo, Porto Alegre: L&PM, 2009.
  • COLI, Jorge. O que é Arte. São Paulo: Brasiliense, 1995.
  • COSTA, Sergio; OSELKA, Gabriel; GARRAFA; Volnei. Iniciação à Bioética. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 1998.
  • COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia. São Paulo: Saraiva, 1993.
  • COTRIM, G.; FERNANDES, M. Fundamentos da Filosofia. São Paulo: Saraiva, 2013.
  • CRITELLI, Dulce Mara. Analítica do Sentido: uma aproximação e interpretação do real de orientação fenomenológica. São Paulo: Brasiliense, 2006.
  • DARTIGUES, André. O que é a fenomenologia? Tradução: Maria José de Almeida. 10ª ed. São Paulo: Centauro, 2008.
  • DAMATTA, Roberto. Relativizando: uma introdução à antropologia social. Petrópolis: Vozes, 1991.
  • DAVIDOFF, Linda L. Introdução à Psicologia. McGraw-Hill, 1983.
  • DEBORD, Guy. Situacionista - Teoria e Prática da Revolução. São Paulo: Conrad, 2001.
  • DE SOUSA, José Cavalcante. Os Pré-Socráticos. São Paulo: Ática, 1991.
  • DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995.
  • DINIZ, Debora; GUILHEM, Dirce. O que é bioética. São Paulo: Brasiliense. 2002.
  • DO CARMO, Paulo Sérgio. Merleau-Ponty. São Paulo: Educ, 2002.
  • DOS SANTOS, José Luiz. O que é Cultura. São Paulo: Brasiliense, 2006.
  • DURAND, Guy. Introdução Geral à Bioética: história, conceitos e instrumentos. São Paulo: São Camilo:Loyola. 2007.
  • DUSSEL, Enrique. Oito ensaios sobre cultura latino-americana e libertação. São Paulo: Paulinas, 1997.
  • ERTHAL, Tereza Cristina S. Terapia Vivencial: Uma abordagem existencial em psicoterapia. Petrópolis: Vozes, 1989.
  • ESTEVAM, Carlos. Freud: vida e obra. São Paulo: Paz e Terra, 1976.
  • FABRA, Maria L. A Nova Pedagogia. Salvat, 1979.
  • FEIJOO, Ana Maria. A escuta e a fala em psicoterapia - uma proposta fenomenológico-existencial. São Paulo: Vetor, 2000.
  • FIGUEIREDO, Luiz Cláudio; SANTI, Pedro Luiz. Psicologia, uma (nova) introdução: uma visão histórica da psicologia como ciência. 2. ed. São Paulo: Educ, 2004.
  • FONSECA, Afonso. História das Psicologias e Psicoterapias Fenomenológico Existenciais. Pedang: Maceió, 2006.
  • FORACCHI, Marialice M. & MARTINS, José S. Sociologia e Sociedade: leituras de introdução à sociologia. Rio de Janeiro: LTC, 1977.
  • FORGHIERI, Yolanda. Psicologia Fenomenológica: fundamentos, método e pesquisas. 1ª ed. São Paulo: Cengage Learning, 2019.
  • FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 2006.
  • FOUCAULT, Michel. Doença Mental e Psicologia. Rio de Janeiro: Tempo Universitário, 2000.
  • FOUCAULT, Michel. História da Loucura na Idade Clássica. Gallimard, 1972.
  • FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979. 
  • FOUCAULT, Michel. Resumo dos Cursos do Collège de France. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.
  • FOULQUIÉ, Paul. O Existencialismo. Tradução: J. Guinsburg. 3ª ed. São Paulo: DIFEL, 1975.
  • FRANCO, France. Compreender Kierkegaard. Petrópolis: Vozes, 2005.
  • FRAYZE-PEREIRA, João. O que é Loucura. São Paulo: Brasiliense, 2002.
  • FREINET, Célestin. Pedagogia do Bom Senso. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
  • FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1981.
  • FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. São Paulo: Paz e Terra, 2001.
  • FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
  • FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 2011.
  • FREUD, Sigmund. Cinco lições de Psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 2006.
  • FREUD, Sigmund. Os Pensadores. Abril Cultural, 1978.
  • FURTER, Pierre. Educação e Reflexão. Petrópolis: Vozes, 1976.
  • GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. São Paulo: Paz e Terra: 1987.
  • GIACOIA JÚNIOR, Oswaldo. Nietzsche. São Paulo: Publifolha, 2000.
  • GIACOIA JÚNIOR, Oswaldo. Nietzsche & Para além de bem e mal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2002.
  • GIACOIA JUNIOR, Oswaldo. Pequeno dicionário de filosofia contemporânea. São Paulo: Publifolha, 2006.
  • GHIRALDELLI, Paulo. O que é Filosofia Contemporânea. São Paulo: Brasiliense, 2017.
  • GHIRALDELLI Jr, Paulo. O que é Pedagogia. São Paulo: Brasiliense, 2006.
  • GOMES, Maria dos Prazeres. Outrora Agora: relações dialógicas na poesia portuguesa de invenção. Educ, 1993.
  • GOMES, Oslem. A Clínica Psicológica e o Exercício da Liberdade. Rio de Janeiro: KWL, 2017.
  • GRANIER, Jean. Nietzsche. Porto Alegre: L&PM, 2009.
  • HALL, Calvin; Lindzey, Gardner. Teorias da Personalidade. Vol. 2. São Paulo: EPU, 1984.
  • HANDA, Francisco. O que é Zen. São Paulo. Brasiliense. 1991.
  • HARNONCOURT, Nikolaus. O Discurso dos Sons. Jorge Zahar, 1988.
  • HEIDBREDER, Edna. Psicologias do Século XX. São Paulo: Palma, 1981.
  • HEIDEGGER, Martin. Identidade e Diferença. Petrópolis, RJ: Vozes, 2018.
  • HENNEMAN, Richard H. O que é Psicologia. Rio de Janeiro: José Olympio, 1991.
  • JAPIASSÚ, MARCONDES. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
  • KIERKEGAARD, Sören A. O Conceito de Angústia. Petrópolis: Vozes, 2014.
  • KIYAN, Ana Maria Mezzarana. O gosto do experimento: possibilidades clínicas em Gestalt-terapia. São Paulo: Altana, 2009.
  • LANE, Silvia T. M. O que é Psicologia Social. São Paulo: Brasiliense, 2006.
  • LARA, Tiago Adão. Caminhos da razão no Ocidente: a filosofia ocidental, do renascimento aos nossos dias. Petrópolis, Vozes. 1986
  • LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.
  • LIMA, Anderson. A vida humana como reinvenção em Søren Kierkegaard​. Clube de Autores, 2016. 
  • LIMA, Antônio Balbino, org. Ensaios sobre fenomenologia: Husserl, Heidegger e Merleau-Ponty. Ilhéus, BA: Editus, 2014.
  • LIMA, Lauro de Oliveira. Mutações em Educação segundo McLuhan. Petrópolis: Vozes, 1984.
  • LUENGO, Josefa M. Pedagogia Libertária: experiências hoje. São Paulo: Imaginário, 2000.
  • MACHADO, Roberto. Foucault, a Ciência e o Saber. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.
  • MACHADO, Roberto. Nietzsche e a Verdade. São Paulo: Paz e Terra, 2017.
  • MACIEL, Luiz Carlos. Sartre: Vida e Obra. São Paulo: Paz e Terra, 1980.
  • MARAFON, Maria Rosa C. Pedagogia Crítica. Petrópolis: Vozes, 2001.
  • MARCONDES, Danilo. Iniciação à História da Filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. 12 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.
  • MARCONI, Marina; LAKATOS, Eva. Metodologia científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2007.
  • MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. Lisboa: Avante, 1997.
  • MAY, Rollo. Psicologia Existencial. 3 ed. Rio de Janeiro: Globo, 1975.
  • MCLUHAN, Marshall. O Meio é a Massagem: um inventário de efeitos. Inquilinos Producao Cultural, 2011.
  • MONTEIRO, Walmir. Psicoterapia Existencial: fundamentos e prática. Bookess, 2011.
  • MYERS, David G. Introdução à Psicologia Geral. Rio de Janeiro: LTC, 1999.
  • NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
  • NIETZSCHE, Friedrich. A Genealogia da Moral. Petrópolis: Vozes, 2017.
  • NIETZSCHE, Friedrich. Além do Bem e do Mal. Companhia de Bolso, 2005.
  • NIETZSCHE, Friedrich. Assim Falou Zaratustra. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
  • NIETZSCHE, Friedrich. Ecce Homo. Porto Alegre: L&PM, 2003.
  • NIETZSCHE, Friedrich. Humano, Demasiado Humano. Companhia das Letras, 2005.
  • NUNES, Benedito. Heidegger & Ser e Tempo. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.
  • OLIVA, Alberto. Filosofia da Ciência. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.
  • OLIVEIRA, Maria Khol. Vygotsky - aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. Scipione, 2001.
  • OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Vozes, 2008.
  • PAÍN, Sara; JARREAU, Gladys. Una psicoterapia por el arte. Buenos Aires: Nueva Visión, 1995.
  • PAPALIA, Diane. Desenvolvimento Humano. Artmed, 2000.
  • PENHA, João da. O que é Existencialismo. 1ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2014.
  • PENNA, Antonio. Introdução à psicologia fenomenológica. Rio de Janeiro: Imago Ed., 2001.
  • PERLS, Fritz. Escarafunchando Fritz: dentro e fora da lata de lixo. Summus, 1979.
  • PERLS, Fritz. Gestalt-terapia explicada. Summus, 1977.
  • PESSINI, Leocir et al. Fundamentos da bioética. 4 ed. São Paulo: Paulus, 2009.
  • PORCHAT, Ieda. O que é Psicoterapia. São Paulo: Brasiliense, 1989.
  • RAPPAPORT, Clara R. et al. Teorias do Desenvolvimento: Conceitos Fundamentais. São Paulo: EPU, 1981.
  • REVEL, Judith. Michel Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz, 2005.
  • REYNOLDS, Jack. Existencialismo. Tradução: Caesar Souza. 2ª ed. Petrópolis: Vozes, 2014.
  • REZENDE, Antonio. Curso de Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.
  • RIVIÈRE, Jean. A Arte Oriental. Salvat, 1980.
  • ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Alhambra/Embrafilme, 1981.
  • ROGERS, Carl. Tornar-se Pessoa. Martins Fontes, 2009.
  • RUDIO, Franz Victor. Orientação Não-Diretiva. Petrópolis: Vozes, 2003.
  • SANTOS, Jair Ferreira. O que é Pós-Moderno. São Paulo: Brasiliense, 1994.
  • SAPIENZA, Bilê Tatit. Conversa sobre terapia. São Paulo: Escuta, 2015.
  • SARTRE, Jean-Paul. Esboço para uma teoria das emoções. Porto Alegre: L&PM, 2010.
  • SARTRE, Jean-Paul. O Existencialismo é um Humanismo. Tradução: João Kreuch. 4ª ed. Petrópolis: Vozes, 2014.
  • SARTRE, Jean-Paul. O que é a Subjetividade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.
  • SAVIANI, Demerval. Escola e democracia. Campinas: Autores Associados, 1999.
  • SEVERINO, Antonio. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 1996.
  • SCHMIDT, Rüdiger. Assim falava Zaratustra: uma chave de leitura. Petrópolis: Vozes, 2017.
  • SCHNEIDER, Daniela. Sartre e a Psicologia Clínica. Florianópolis: UFSC, 2011.
  • SCHOPENHAUER, Arthur. A arte de escrever. L&PM, 2006.
  • SCHULTZ, Duane; SCHULTZ, Sydney. História da Psicologia Moderna. São Paulo: Cultrix, 1992.
  • SEVERINO, Antônio Joaquim. Filosofia. São Paulo: Cortez, 2007.
  • SMITH, Plínio. O que é Ceticismo. São Paulo: Brasiliense, 1992.
  • SOUZA, Ana Inês. Paulo Freire: vida e obra. São Paulo: Expressão Popular, 2006.
  • STERN, Arno. La Expresion. Barcelona: Promoción Cultural, 1977.
  • STRATTON, Peter; HAYES, Nicky. Dicionário de Psicologia. Pioneira, 1994.
  • SUAREZ, Rodriguez. Søren Aabye Kierkegaard - Filósofo da Existência. Amazon, 2016.
  • TELES, Antônio Xavier. Psicologia Moderna. São Paulo: Ática, 1980.
  • TELES, Maria Luiza. O que é Psicologia. São Paulo: Brasiliense, 1989.
  • TELES, Maria Luiza. Aprender Psicologia. São Paulo: Brasiliense, 1990.
  • VACCARO, Salvo. Foucault e o Anarquismo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Achiamé, 2000.
  • VÁRIOS COLABORADORES. O Livro da Filosofia. São Paulo: Globo, 2011.
  • VESENTINI, J. William. Sociedade e Espaço. São Paulo: Ática, 1996.
  • WADSWORTH, Barry, J. Inteligencia e afetividade da criança na teoria de Piaget. São Paulo: Pioneira, 1996.
  • WELLS, H. G. Pequena História do Mundo. José Olympio, 1944.
  • WERNECK, Hamilton. Ensinamos Demais, Aprendemos de Menos. Petrópolis: Vozes, 1987.
  • WOODWARD, Ashley. Nietzscheanismo. Petrópolis: Vozes, 2017.

Artigos:

  • ALVES, Paulo Eduardo Rodrigues. O método fenomenológico na condução de grupos terapêuticos. Rev. SBPH, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 150-165, jun. 2013.
  • BATISTA, Micheline D. G. Breve história da loucura, movimentos de contestação e reforma psiquiátrica na Itália, na França e no Brasil. Revista de Ciências Sociais, n. 40, Abril de 2014, pp. 391-404, fev. 2014.
  • BRITO, Sandra. A Psicologia Clínica - Procura de uma Identidade. Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Fernando Fonseca, 2008. Pgs 63-68.
  • CARDINALLI, Ida Elizabeth (2005). A Contribuição das Noções de Ser-no-Mundo e Temporalidade Para a Psicoterapia Daseinsanalítica. Daseinsanalyse - Revista da Associação Brasileira de Daseinsanalyse, 14, 55-63.
  • REIS, Alice Casanova dos. Arteterapia: a arte como instrumento no trabalho do Psicólogo. Psicol. cienc. prof. 2014, vol.34, n.1, pp.142-157.
  • FEIJOO, Ana Maria Lopez Calvo de. Fundamentos Fenomenológico-Existenciais Para a Clínica Psicológica. Simpósio de Psicologia Fenomenológico-Existencial.Belo Horizonte: Fundação Guimarães Rosa, 2008. p. 07-18.
  • FERREIRA, Virgínia. Da psicanálise freudiana à psicanálise existencial de Jean-Paul Sartre. Reflexão, Caompinas, 30(87), p. 79-86, jan./jun., 2005.
  • FREITAS, Maria de Fatima Quintal de. Inserção na comunidade e análise de necessidades: reflexões sobre a prática do psicólogo. Psicol. Reflex. Crit., 1998, vol.11, no.1, p.175-189.
  • HOLANDA, Adriano. Fenomenologia, psicoterapia e psicologia humanista. Revista Estudos de Psicologia, 1997, vol. 14, nº 2, 33-46.
  • JOSGRILBERG, R. S. O empírico e o fenomenológico na situação psicoterápica. Em Castro, D. S. P. (Org.). Fenomenologia e análise do existir. São Paulo: Umesp, 2000.
  • KARWOWSKI, Silverio Lucio. Por um entendimento do que se chama psicopatologia fenomenológica. Rev. abordagem gestalt., Goiânia, v. 21, n. 1, p. 62-73, jun. 2015.
  • NASCIMENTO, André Barata; CAMPOS, Carolina Mendes; ALT, Fernanda. Psicologia Fenomenológica, Psicanálise existencial e possibilidades clínicas a partir de Sartre. Estud. pesqui. psicol.,  Rio de Janeiro ,  v. 12, n. 3, p. 706-723, dez.  2012 . 
  • POMPÉIA, João Augusto. Uma caracterização da psicoterapia. Associação Brasileira de Daseinsanalyse n.9, (dez.2000), p.19-30.
  • POMPÉIA, João Augusto. Desfecho - Encerramento de um processo. Palestra proferida na Faculdade de Psicologia da Universidade Católica de Santos, 1990. Editado por Maria de Jesus Tatit Sapienza, a partir da gravação original.
  • PORTELA, Marco A. C. A técnica na Psicoterapia Existencial. In: I Congresso Internacional de Psicologia Existencial, 2013, Belo Horizonte. I Congresso Internacional de Psicologia Existencial. Belo Horizonte: Faculdade de Estudos Administrativos, 2013. v. 1. p. 162-177.
  • SANTOS, C. B. Abordagem Centrada na Pessoa: Relação Terapêutica e Processo de Mudança. Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Fernando Fonseca. 18-23. 2004.
  • SANTOS, Adilson Ribeiro; SANTOS, Rose Manuela; SOUZA, Marcos Lopes; BOERY, Rita Narriman; SENA, Edite Lago; YARID, Sergio Donha. Implicações bioéticas no atendimento de saúde ao público LGBTT. Revista Bioética, Jequié/BA, v. 2, n. 23, p. 400-408, 2015.
  • STRUCHINER, Cinthia Dutra. Fenomenologia: de volta ao mundo-da-vida. Rev. abordagem gestalt.,  Goiânia ,  v. 13, n. 2, p. 241-246, dez.  2007.
  • TEIXEIRA, José A. Carvalho. Introdução à psicoterapia existencial. Aná. Psicológica,  Lisboa, v. 24, n. 3, p. 289-309, jul. 2006.
  • TENÓRIO, Carlene Maria Dias. A psicopatologia e o diagnóstico numa abordagem fenomenológica-existencial. UniCEUB. Universitas Ciências da Saúde, Brasília, v. 1, n. 1, p. 31-44. 2003.
  • YANO, Luciane Patrícia. Psicoterapia Existencial Humanista Fenomenológica: o olhar para além das imperfeições. Revista de Iniciação Científica da Faculdade da Amazônia Ocidental, v 5, Fevereiro de 2012 


Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas Reviewed by Bruno Carrasco on 17:30 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.