Psicoterapia fenomenológico-existencial


A psicoterapia fenomenológico-existencial é uma abordagem de psicologia que entende a existência humana de maneira singular, sempre em processo e transformação. Compreende que cada pessoa experimenta a vida de maneira particular, partindo dos afetos, livre para fazer escolhas e responsável pelas consequências.

Esta abordagem tem como foco a pessoa e suas experiências tal como ocorrem para si, ou seja, suas vivências e percepções pessoais e o modo como elas constroem seu entendimento sobre o mundo e sobre si mesma.

Apesar de se assemelhar, em alguns aspectos, com a Psicologia Humanista, da Abordagem Centrada na Pessoa ou da Gestalt-Terapia, possui um método e uma proposta teórica diferentes, tendo como fundamentação teórica e embasamento filosófico o existencialismo, e como método a fenomenologia.

A filosofia existencialista entende que toda pessoa é livre para fazer escolhas e sua existência está em constante transformação. A fenomenologia busca compreender a pessoa partindo do modo como ela percebe e sente suas experiências, deixando de lado interpretações ou avaliações meramente objetivas. A psicoterapia fenomenologico-existencial entende que não há como enquadrar as pessoas em classificações prontas, pois cada existência é uma, com características e singularidades próprias.

O psicoterapeuta fenomenológico-existencial não analisa a pessoa atendida de maneira meramente objetivo, nem busca compreender seus "segredos inconscientes", mas busca compreender cada pessoa como um ser único e singular, que possui experiências próprias e um modo peculiar de entender o mundo e a vida, potencializando sua existência e encontrando novas maneiras para entender e lidar com suas dificuldades.

A psicoterapia existencial com base no método fenomenológico busca compreender o ser que se mostra em seus modos de compreender o mundo e a si mesmo, encontrando caminhos e sentidos para sua existência com base em seus afetos.

Essa abordagem se iniciou no final do século XIX, se desenvolvendo durante o século XX, tendo como representantes os filósofos Arthur Schopenhauer, Soren Kierkegaard, Friderich Nietzsche, Martin Buber, Martin Heidegger, Gabriel Marcel, Jean-Paul Sartre, Maurice Merleau-Ponty, Simone de Beauvoir, Emil Cioran, e os psicoterapeutas Ludwig Binswanger, Karl Jaspers, Medard Boss, Viktor Frankl, Rollo May, Van Den Berg, Ronald Laing, Irvin Yalom, Alfried Langle, Emmy Van Deurzen, entre outros.

A fenomenologia busca captar a compreensão do modo como cada indivíduo percebe sua realidade, sendo uma filosofia da vivência. Seu interesse está mais para o modo como o conhecimento do mundo se realiza para cada pessoa.

Existencialismo e fenomenologia são dois temas que se fundem e se confundem em diversos momentos, pois são vertentes de filosofias contemporâneas que possuem características aproximadas. Alguns autores comentam sobre o existencialismo que estão também comentando sobre a fenomenologia, outros que comentam sobre a fenomenologia e também citam questões existenciais.

O existencialismo é uma filosofia que questiona sobre a nossa ação no mundo, a maneira como nos colocamos e estabelecemos nossos valores, como escolhemos ou deixamos de escolher, enfim, como sentimos e atuamos perante a vida. Se coloca a refletir sobre temas como a liberdade de ser, a angústia, o sentido da vida, a morte e a finitude, a autenticidade, entre outros, analisando o ser humano em seus aspectos concreto, singular, afetivo e temporal.

A fenomenologia corresponde a um método de aquisição de conhecimento, que estabelece um modo sobre como entendemos as coisas e o mundo, compreendendo que não há uma dicotomia entre sujeito e objeto, mas uma correlação entre eles. Busca observar os fenômenos tal como eles aparecem para uma consciência, não tendo como intuito o entendimento dos fatos objetivos, mas suas tantas possíveis descrições subjetivas.

Edmund Husserl (1859-1938) foi filósofo e matemático que rompeu com a ciência positivista de sua época, criticando o psicologismo e propondo um método fenomenológico. Este método não se limita empirismo objetivo, mas entende que a experiência subjetiva é a fonte de orientação para cada indivíduo. Ele propôs um método de redução fenomenológica para ir de encontro com as origens de cada tema estudado.

Martin Heidegger (1889-1976) foi filósofo, escritor e professor universitário alemão. Ele é responsável pela ligação entre a filosofia existencialista de Kierkegaard e a fenomenologia de Husserl. Sua preocupação maior foi a de elaborar uma análise da existência, na busca de esclarecer sentido do ser.

Jean-Paul Sartre (1905-1980) foi filósofo, escritor e crítico francês, conhecido como o maior representante do existencialismo. Em sua filosofia, defende que para o ser humano "a existência precede a essência", pois o homem primeiro existe, depois se define, não há uma essência que o defina anteriormente à sua existência.


Por Bruno Carrasco, psicoterapeuta existencial.
Psicoterapia fenomenológico-existencial Psicoterapia fenomenológico-existencial Reviewed by Bruno Carrasco on 15:45 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.