O essencial sobre Albert Camus - Ferreira

O livro 'O essencial sobre Albert Camus', escrito por António Mega Ferreira, apresenta um pouco sobre a vida e obra de Albert Camus (1913-1960), que em meados do século XX foi o paladino de uma terceira via entre o fascismo e o comunismo: nas suas obras proclamava a liberdade como valor supremo do homem.

Avesso aos maniqueísmos dominantes, enunciou o princípio fundamental da sua ética, que é a fidelidade a um dever moral: "Acredito na justiça, mas, se fosse preciso, defenderia a minha mãe contra a justiça". A sua intransigência consolidou a imagem de uma solitária austeridade, que no entanto contrastava com a sua constante reivindicação do direito à felicidade e à alegria.

Este livro foi publicado pela Imprensa Nacional de Portugal, em 2013, por ocasião do centenário de seu nascimento, faz parte da coleção 'Essencial sobre...'.


Segue abaixo alguns trechos do livro, para adquirir o livro acesse o link na amazon:

O próprio Camus se espantava com a rapidez com que aquele rapazinho pobre descendente de paupérrimos colonos de origem alsaciana e espanhola se transformara num dos escritores mais admirados do seu tempo: "À minha volta, ninguém sabia ler. Imagine o que isso significa", disse mais tarde a um estudioso da sua obra.

Do meio em que nascera, emergira para o mundo do estudo e das letras.

Licenciado em filosofia com uma tese sobre o pensamento de Plotino e de Santo Agostinho, tornara-se notado pelas suas atividades teatrais (adaptação, encenação e representação).

O teatro seria, aliás, uma paixão constante da sua vida.

Camus defendera, em artigos para o jornal Alger Républicain, os direitos dos árabes, posicionando-se decididamente contra os abusos dos pieds-noirs, os descendentes dos antigos colonos.

depois do sucesso de crítica de L’étranger, que lhe granjeou a admiração e a amizade de Jean-Paul Sartre, colaborou ativamente no jornal clandestino Combat, de que se tornaria diretor logo após a Libertação, publicou O Mito de Sísifo (1942).

Quando a guerra terminou, Camus era já uma das figuras de proa do jornalismo e da literatura francesa.

Acreditava numa Argélia livre do sistema colonial, embora integrada num espaço federal de língua francesa, que fosse o resultado da colaboração entre a maioria árabe e a minoria descendente dos antigos colonos. Para muitos argelinos, Camus era um estrangeiro na sua própria terra, que se recusava a aceitar uma Argélia onde não houvesse lugar para ele.

foi com L’homme révolté (1951) que se definiu a sua difícil posição cívica e intelectual, contra todas as formas de violência, contra todos os totalitarismos: Sartre rompeu com ele de forma ostensiva e a polémica entre os dois é um dos mais acesos diálogos de ideias que aconteceram nos anos cinquenta em França.

Ao longo dos anos cinquenta, intensificou o seu trabalho teatral, com adaptações de Calderón, Faulkner, Buzzati, Dostoiewski e publicou La chute (1956) e L’exil et le royaume (1957).

o apelo da sua obra tocava sobretudo os jovens, que nela viam um espelho das suas dúvidas e perplexidades, do seu mal-estar e da sua revolta. Mas Camus pressentia que a sua escrita devia agora virar-se para outros horizontes: como todos os escritores, acreditava que o melhor ainda estava para vir.

Nesta altura, a revolta de Camus não tem raiz na injustiça de um destino humano em particular, ou, mesmo, nas injustiças sociais de que se fabrica o mundo. Como adiante veremos, é de outra ordem, filosófica, se se quiser, e ergue-se contra o absurdo intrínseco da vida.

Referência:
FERREIRA, António. O essencial sobre Albert Camus. Lisboa: INCM, 2013.

O essencial sobre Albert Camus - Ferreira O essencial sobre Albert Camus - Ferreira Reviewed by Bruno Carrasco on 09:00 Rating: 5
Aulas Online
Tecnologia do Blogger.