Soma, uma terapia anarquista - Vol. 3 - Freire e Mata

O livro 'SOMA - Uma terapia anarquista - Vol. 3 - Corpo a corpo' apresenta uma síntese da Soma, uma terapia criada por Roberto Freire. Este trabalho foi realizado por seu primeiro assistente, o somaterapeuta João da Mata, que explica em linguagem simples e direta esta técnica terapêutica e libertária, expondo, com clareza, o pensamento filosófico e político de seu criador.


Alguns trechos do livro:

A Soma é uma terapia com forma de pedagogia e uma pedagogia com efeitos terapêuticos.

Fazer Soma é procurar ser livre e, para isso, ser revolucionário e alegre. Transformar a vida na união de três elementos fundamentais e inseparáveis: beleza, alegria e prazer.

Nosso referencial de saúde está em função da vivência permanente de tudo aquilo que é tesudo para nós. Por isto, fazer terapia também é um ato belo, alegre e deliciosamente prazeroso.

Procuramos eliminar a tendência em rimar terapia com sofrimento, desconforto e formalidade. É comum pensar assim, pois a psicologia tradicional funciona dessa maneira.

Ao contrário disso, brincamos com o sofrimento, gozamos do desconforto e somos informais na formalidade. Acreditamos que só assim seremos saudáveis e tesudos. Isso não quer dizer que as pessoas não percebam, sintam e vivam suas dores e dificuldades. Mas apenas não as tornam martirizantes e insolúveis.

Na Soma, utilizamos a ideologia do prazer (saúde) como antídoto à ideologia do sacrifício (neurose). Vamos desfazendo o nó autoritário de nossa formação burguesa capitalista, que exigiu o sacrifício dos nossos desejos e vontades em troca de aceitação social.

E tudo fica fantástico, pois lutar pelo que somos e queremos nos dá certeza de estarmos vivos. E viver é enfrentar o risco, curtir a liberdade. Sobreviver é o contrário, é se conformar com os limites da segurança.

Lutamos pela plenitude da vida, pelo enfrentamento diante dos obstáculos. Uma pessoa saudável entende bem o que é isso: o neurótico não perdeu a capacidade de reagir.

A Soma existe para que as pessoas conheçam e exerçam suas vidas em mais amplo sentido, o mais rápido possível. Logo percebemos que o ato de viver é extremamente simples. Pensando e agindo assim, a Soma é objetiva e prática. Trabalhamos para que a pessoa consiga identificar e combater os agentes externos que estão bloqueando ou impedindo a realização de sua vida. E, a partir daí, ser ela mesma.

A Soma é um convite aos revolucionários, aos contestadores e a todos aqueles que se sentem libertários. Só esses podem entender a vida como a vemos, por que lutam, amam e gozam. Só para eles a Soma tem sentido e função. Para os demais, não serve e é um veneno.

objetivo: combater todas as formas de autoritarismo e limitação da liberdade humana presentes na sociedade atual, democrática e neoliberal, porém submetida a um poderoso autoritarismo econômico.

Quando eliminamos a ação do autoritarismo, encontramos a originalidade de cada vida. Cada ser humano é único na sua diferença. As sociedades autoritárias, guiadas pelo poder econômico ou do Estado, necessitam padronizar o comportamento humano para mais facilmente ter controle e domínio.

A repressão e a massificação são feitas através de mecanismos e objetivos políticos. Na Soma, desfazemos esses jogos de poder, e a pessoa liberta-se à medida que resgata sua originalidade de ser.

O que justifica sociedades injustas e desarmônicas, como a nossa, é o fato de existirem muitos que se deixam controlar por poucos, prevalecendo hierarquias e normas autoritárias. É apenas respeitando as diferenças individuais que surgirá uma nova ética de convivência humana, responsável pela criação de uma nova sociedade.

Nosso sonho é a utopia, nosso combustível, a paixão, nosso veículo, o tesão e nossa luta a construção e vivência de uma vida pessoal e social tesuda aqui e agora: anarquista.

A palavra "soma" vem do grego e significa "Corpo". Mas não apenas como estamos habituados a pensar o corpo ou o que está abaixo da pele. Também suas extensões, como desejos e ideais, pensamentos e atitudes, ideologia e amor, profissão e vida social. Por soma humano, entendemos que seja tudo o que uma pessoa é, como e com quem se relaciona e convive. Portanto, Soma para nós significa a totalidade do ser, num sentido amplo e completo.

É fundamental esta característica para nosso trabalho, pois a Soma não está interessada em aspectos isolados ou parciais na vida de uma pessoa. Estudamos o homem por inteiro, as várias áreas de sua vida e a relação entre elas.

Não fazemos uma psicoterapia por considerarmos não ser a mente o foco de ação terapêutica, e sim todo o soma, toda a pessoa, com a mente inclusive, mas fazendo parte do todo somático.

Uma pessoa auto-regulada dá à sua vida ritmo e forma de acordo com os seus ideais. Ela ama as pessoas que mais lhe agradam, trabalha naquilo que sente maior aptidão e competência, convive com as pessoas que mais lhe dão tesão.

Uma das características do estado neurótico é o distanciamento da auto-regulação em direção à heterorregulação. Muitas das dificuldades apresentadas em terapia dizem respeito à incapacidade ou inabilidade que as pessoas têm para definir o que querem e gostam.

Adotando referenciais externos, a vida de uma pessoa heterorregulada distancia-se da realização do seu próprio prazer.

A heterorregulação é conseqüência direta dos valores que regem a atual sociedade autoritária e impositiva, que determina padrões de comportamento para os indivíduos que a compõe.

Ainda na infância, convivemos com relações que misturam amor e carinho com chantagens e autoritarismos, limitando e condicionando nossos gostos, preferências e escolhas. O medo de perder o amor dos pais faz da criança uma vítima indefesa sem condições de reagir, a não ser conformar-se e submeter-se.

O maior objetivo da Soma é acabar com essa manifestação de comportamentos impostos pelo sistema, levando as pessoas a descobrir o que elas verdadeiramente são e o que realmente querem da vida. É a descoberta da originalidade única de cada ser.

A pessoa saudável é aquela que vive sua originalidade, se autoregulando e buscando sua unicidade.

A neurose é exatamente o rompimento, causado por bloqueios externos, da unicidade, o que torna a pessoa dividida, fraca, insegura e impotente. Isso acontece à medida que esses bloqueios impedem o livre funcionamento da auto-regulação espontânea do nosso organismo, determinando o distanciamento do que verdadeira e originalmente somos.

Esse conceito de neurose explica por que a Soma apresenta-se como um trabalho de natureza política. Não a política institucional, mas a política do cotidiano, presente em nossas relações diretas. Nosso objetivo é revelar essa política e descobrir as relações de poder explícito ou disfarçado, seus efeitos e suas conseqüências. A terapia se faz na medida em que a pessoa realiza a revolução de sair do círculo oprimido-opressor para uma relação política entre iguais na busca de seu prazer.


Fonte:
FREIRE, Roberto; MATA, João da. SOMA Uma Terapia Anarquista. Volume 3: Corpo a corpo - A Síntese da Soma. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1993.

Soma, uma terapia anarquista - Vol. 3 - Freire e Mata Soma, uma terapia anarquista - Vol. 3 - Freire e Mata Reviewed by Bruno Carrasco on 15:56 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.